Marketing e Conteúdo / Tráfego e Conversão

Startup. Negócio, modelo ou experimento? Saiba como iniciar e lançar a sua!

Muitos falam em startup como um negócio inovador, mas nem todos sabem realmente o que é uma startup e como lançar uma. Veja aqui um pequeno guia de startup e entenda melhor como orquestrar uma!

Por Robson V. Leite

Publicado por Robson V. Leite
em 01/10/2014 às 16h19

Lista VIP UpInside

Entre para nossa lista VIP e receba vídeo aulas, artigos e tutoriais exclusivos e com prioridade

  QUERO ENTRAR
Compartilhe:

Antes de entrarmos em nosso pequeno guia místico da startup me permita definir o que realmente é uma startup, e assim poderemos todos falar a língua dos maestros cientistas desta verdadeira orquestra de estratégias.

Falei bonito @AlunoNome?

Startup: Basicamente uma startup é uma ideia ou uma organização desenhada para experimentar uma solução para um problema de um grupo de pessoas em comum. Sua principal tarefa é resolver esse problema e ser auto sustentável.

Deixamos de ter uma startup quando a mesma começa a gerar receita suficiente para cobrir seus custos de desenvolvimento, hospedagem e gestão. Ai passamos a ter um produto web.

Lembre-se, por mais que você seja o desenvolvedor, esteja hospedando o site em um servidor seu e você mesmo faça a gestão. Seu serviço não é de graça é?

Tudo parece muito simples, mas na verdade o mais complicado é ter uma ideia que resolva um problema de muitas pessoas ao mesmo tempo ou supra uma necessidade incomum.

Espera ai? Problema e necessidade tem diferença? Se eu tenho uma necessidade, isso não é um problema?

O PROBLEMA E A NECESSIDADE:

Existem basicamente dois modelos de startup. Geralmente as que fazem mais sucesso são as startup’s que suprem uma necessidade humana. O Facebook é um exemplo disso. Vamos diferenciar:

Problema: Gestão financeira, e-mail marketing, softwares

Necessidade: Amizades, encontros, sexo, diversão

Basta olhar esses dois cenários e podemos chegar a uma análise básica vendo do ponto da pessoa que busca um software de gestão financeira. Essa pessoa quer organizar as finanças para poder viajar, sair, ter mais tempo livre.

Logo pessoas que tem um problema estão tentando resolver uma necessidade, mas nem sempre o contrário acontece. E por isso o nicho das necessidades é bem mais amplo.

O GUIA MÍSTICO:

Claro que existem bem mais coisas a serem analisadas, mas basicamente temos que definir se vamos resolver um problema ou uma necessidade. Sabendo qual nicho nossa startup vai atacar, precisamos de um modelo de negócios. E falando de startup esse é um ótimo modelo.

Funções Básicas: Defina quais são as funções básicas de sua startup, tente enxugar ao máximo e deixar nesse primeiro plano somente o que você considera essencial.

Isso diminui a curva de aprendizado e fica fácil de você controlar como as pessoas estão interajindo com o seu sistema.

Ofereça uma isca e lance: Com o sistema pronto em sua versão básica, crie uma página simples de divulgação, indique qual problema ou necessidade sua aplicação resolve, e ainda ofereça um plano gratuito ou um período de teste.

É muito importante que tenha uma ação de fácil acesso para as pessoas enviar suas opiniões, pois você precisa entender melhor os problemas do seu nicho. Com esses feedbacks você poderá implementar aquilo que achar interessante para sua aplicação.

Também é muito importante deixar claro sobre o período de teste ou a existência ou intenção de implementação de planos pagos.

Trabalhe uma boa relação: Quando você recebe um novo cliente você passa a ter também um lead. Você pode usar isso para mandar e-mails em espaços de 3 a 5 dias para coletar opiniões, agradecer pela utilização do sistema e manter seu público informado.

Isso aumenta muito o engajamento e seu público passa a interagir mais. Assim você consegue mais feedbacks sobre o sistema e pode melhorar ainda mais.

É muito importante que você NÃO saia implementando tudo. Lembre-se sempre que quanto mais ferramentas, mais difícil é de usar seu produto, e menos clientes adeptos você terá. Implemente só o que considerar uma solução para o grupo em um todo.

QUANDO COBRAR?

Bom, seguindo esses três passos, e é claro que isso pode levar de 3 meses a 1 ano de implementações, feedbacks e melhorias. Você já terá um cenário inicial onde poderá cobrar por um serviço melhor, ou ainda expirar o período de teste das ferramentas.

Aqui temos 2 cenários. Se manter uma conta com menos recursos porem gratuitas. Você continua tendo usuário no sistema que possivelmente podem converter em pagadores no futuro. Tendo apenas o período de testes, quem não quiser pagar vai sair e suas chaves de conversão para esses cai para quase 0%.

A vantagem de ter apenas período de testes é que você consome menos recursos e tem menos trabalho com suporte. O modelo de negócio aqui cabe a você decidir.

Para iniciar a cobrança e ainda definir valores o mais interessante é coletar os feedbacks novamente. Pergunte ao seu nicho se eles pagariam e quanto eles pagariam pelo serviço. De uma ou duas opções de planos ou ainda de valores, e veja o resultado.

Mas é muito importante que esses planos sejam sustentáveis e que você valorize o produto. Outra conta básica que deve fazer é que 1000 assinantes a 10 reais dão o mesmo lucro que 500 assinaturas a 20 reais, ou ainda 100 assinaturas a 100 reais.

É importante que você saiba mensurar esses resultados em um plano que de mais lucros com menos despesas. Pois quanto mais clientes você terá também mais suporte, recursos e tempo sendo consumidos pela sua aplicação.

Agora que já sabemos como tratar nossa startup, mãos à obra.

Eu tive uma ideia ontem de criar um sistema de perfil onde as pessoas possam compartilhar momentos. Ainda vou colocar um botãozinho azul com a ação de curtir.

Será que essa startup daria certo?

Compartilhe:

Em Marketing e Conteúdo:

Deixe seu comentário: